Categorias
Música

Mais Kanye West no NYT

NYT: You look at your outfits from five or seven years ago, and it’s like…

Kanye West: Yeah, kill self. That’s all I have to say. Kill self.

Categorias
Música

Kanye West no NYT

There are people who have figured out the exact, you know, Kanye West formula, the mix between ‘Graduation’ and ‘808s’, and were able to become more successful at it. ‘Stronger’ was the first, like, dance-rap song that resonated to that level, and then ‘808s’ was the first album of that kind, you know? It was the first, like, black new wave album. I didn’t realize I was new wave until this project. Thus my connection with [the graphic designer] Peter Saville, with Raf Simons, with high-end fashion, with minor chords. I hadn’t heard new wave! But I am a black new wave artist.

Mais uma da entrevista do NYT.
Categorias
Música

Kanye kanye-ing

I remember when both Gnarls Barkley and Justin [Timberlake] lost for Album of the Year, and I looked at Justin, and I was like: ‘Do you want me to go onstage for you? You know, do you want me to fight?’.

Kanye West quase fez um ‘Imma let you finish’ com as Dixie Chicks. Da entrevista no NYT.
Categorias
Listas Música

Melhores Músicas de 2007: 30 – 21

30) “Let me know”
Roísín Murphy
Se a nova disco é realmente a nova onda, já podem eleger uma rainha. Mesmo sendo uma britânica branquela, a ex-triphopper Roísín fez melhor que qualquer embuste de ítalo-americano como Glass Candy ou Chromatics. Disco-funk eletrônico e groveeado perfeito para pista.
29) “Keep the car running” MP3
The Arcade Fire
Mesmo sendo um disco aterrorizado pelo tempo que o circunda, “Neon Bible” vence quando aposta da esperança. Como Boss das antigas, o frontman e guia estético do Arcade Fire, Win Butler, canta acreditando em cada letra e nota que sai de sua boca. Enquanto isso, o resto da banda faz uma rock-song inventiva, que remete tanto ao folk acelerado do próprio Boss, quanto ao U2 de “The Joshua Tree”, mas deixando claro seu amor às harmonias dos primeiros trabalhos do New Order. Eles são uma das bandas mais importantes hoje e aqui começam a dar seus passos rumo ao inconsciente coletivo.
28) “Stronger” MP3
Kanye West
Você pode chamá-lo de convencido. Ele é. De oportunista. Também. De hipster do hip hop. Certo. Mas pense em outro artista que possa fazer sucesso tanto na Billboard, quanto na Pitchfork? Kanye West é o perfeito popstar do século 21: esperto, bem conectado e cheio de referências. É um popstar 2.0. E “Stronger” é mais uma prova disso. Eletrônica sintética à francesa, arte multicolorida e tecnológica nipônica, se-achismo americano, tudo isso misturado numa linguagem que é da hood e do rock ao mesmo tempo.
27) “Melodie day” MP3
Caribou
Culpem os Beatles, os Beach Boys, os Zombies. Desde que o pop pôde ser psicodélico, o gênero vem nos dando maravilhas como essa “Melodie day”. A canção começa acelerada e espacial, vocal sussurado, até que uma barulheira caótica e suave de sopros, percussão e barulhos eletrônicos toma conta da faixa, explodindo num refrão de várias cores. Soa como se o Mercury Rev, o Animal Collective e o Zero 7 fossem uma única grande banda.
26) “Crumble” MP3
Dinosaur Jr.
“Crumble” conquista já nos primeiros segundos. O riff inicial aparece enchardo de emoção, a distorção e a mesma de todos os outros clássicos feitos com a guitarra de J Mascis, a letra é sentimental de quando o “sentimental” não era “emo”. Tudo que uma pessoa pode gostar no Dinousaur Jr. está aqui concetrados em 3 minutos de frescor noise-pop, como se 87 fosse 2007 e vice-versa.
25) “Heart of hearts” MP3
!!!
“Heart of hearts” é basicamente um resumo do ótimo “Myth Takes”, primeiro grande disco do !!! (ou Chk Chk Chk). O baixo roubado do Gang Of Four, a salada rítmica da eletrônica, uma certa barulheira urbana à la Sonic Youth e vocais soul obscuros e sexys no novo soul se encontram numa das melhores faixas de pista de 2007. É um salve-se-quem-puder delirante e delicioso que soa como o Maroon 5 dopado de ecstasy e ácido tocando Prince no meio de uma rave comunista. !!! é um nome bem apropriado, não acham?
24) “Get lucky (The Twelves remix)” MP3
New Young Pony Club
Como vocês verão em algum post à frente, “Fantastic Playroom” do New Young Pony Club foi um dos piores discos do ano. Todas as faixas são extremamente fracas e as que ficam um pouco acima do medíocre, imploram por um remix decente. É o caso de “Get lucky”, que encontra nessa versão da dupla de produtores brasileiros The Twelves sua redenção. É o melhor remix dos caras e de tão boa (ainda mais comparada à original) acaba virando uma música “deles”. E não é que Niterói não tem só uma bela vista para o Rio?
23) “Plasticities” MP3
Andrew Bird
Taí outra música que entrou pelo quesito “escolhas pessoais”, mas não da mesma forma que “Antes que eu me esqueça”. Por um motivo ou sentimento que eu ainda desconheço, “Plasticities” me pegou de jeito como poucas ano passo. A melodia é linda, o arranjo melhor ainda e a letra é cheia de metáforas que eu não “peguei”, mas nada disso serve para explicar o sorriso redentor que ela coloca na minha cara toda vez que ouço.
22) “505” MP3
Arctic Monkeys
Todos nós amamos “I bet that you look good on the dancefloor”, “Brianstorm”, “Old yellow bricks” e qualquer outro hino de pista que os Arctic Monkeys tenham feito nesses dois anos. Eles são bons nisso, não dá para negar. Mas são ainda melhores quando diminuem as batidas para despejar emoção movida à guitarras nas composições mais lentas – só lembrar de “A certain romance”, a melhor música de 2006 e fácil umas das melhores da década. “505” começa quase espacial, com Alex Turner cantando macio como numa banda de dream pop. A letra é bem simples, sem aquela verve verborrágica de Turner, só empilhando um monte declarações tão piegas que, não fosse a bela melodia, deixariam seus níveis de sacarina acima do permitido (“stop and wait a sec / when you look at me like that / my darling, what did you expect? I’d probably still adore you with you hands around my neck” é minha favorita). Quando a canção explode num solo de guitarras, – que seria o melhor do ano se o Wilco não tivesse lançado disco em 2007 – você já está entregue e de coração mole.
21) “Sleeping lessons” MP3
The Shins
O clima hipnótico dos teclados e da voz sutil de James Mercer que pontuam o início de “Sleeping lessons”, faixa de abertura do terceiro disco do The Shins, pouco revela sobre o que está prestes a acontecer. É quando as guitarras surgem e a voz de Mercer reaparece mais segura e emocionada que o milagre se processa. Milagre, sim. Um daqueles momentos irracionais em você se pergunta que poder é esse que a música pop tem de nos engasgar com nossos próprios corações, sem conseguir soltar o mínimo grunido. Acontece.
Categorias
Música

popzinhos

Kanye West e Estelle no clipe do novo single dela, “American boy”…

…e os Guillemots de volta em vermelho, bradando o desamor.

Categorias
Listas Música

Melhores Músicas de 2007: 40 – 31

40) “Foundations”
Kate Nash
Quem pode culpá-las? Elas cresceram ouvindo Spice Girls e assistindo Sex & The City. Aí aprenderam a tocar violão. E sobrou para nós, homens, aguentar dezenas de canções de dezenas de garotas diferentes sobre como nós somos uns babacas. Como pop, “Foundations” é adorável, mas como ato de repúdio dá saudade do tempo em que só existia a PJ Harvey.

39) “Sipping on sweet nectar”
Jens Lekman

Na sua jornada para se tornar o Sinitra indie, Jens Lekman faz uma parada acertada no tempo. Sai a mistura entre o indie pop noventista (Belle And Sebastian, Magnectic Fields) e o cancioneiro clássico dos 50, para entrar de pé no momento fugidio entre os singles da Motown dos 60’s e a disco-music dos 70’s. (Indie) Pop clássico para fãs de Camera Obscura e Bee Gees.

38) “I taught myself how to grow old”

Ryan Adams
Canção-chave de “Easy Tiger”, “I taught myself how to grow old” flagra o melhor compositor de sua geração no momento exato em que esse reaprendeu a sobreviver, depois de experimentar o colapso. No escuro, a gaita chorosa vai dando espaço a um violão tímido, para então servir de cama para o vocal emocionado de Adams, nos conduzindo à claridade branda da sua maturidade. Ryan está de volta, brilhante como sempre.
37) “Apenas leia”
Superguidis

Amarando as pontas soltas entre o indie velho (aquela guitarra do Dinosaur Jr. ou do Guided By Voices) e o indie novo (na levada do Rakes ou do Wombats), o Superguidis fez em “Apenas leia” um tratado de poucas palavras sobre se cansar de bater nas mesmas portas fechadas e falar aquelas coisas legais para quem não quer te ouvir. No mais, não perca a vida toda usando wellaton.

36) “Blood red blood”

Voxtrot
“Oh I’m just trying to do my best / I’m not afraid of life, I’m afraid of death / build my love in the things I say / you’ve gotta lift your face to the breaking day”. São poucas as bandas que conseguiriam transformar em emoção sincera a pieguice do refrão acima. E uma delas é o Voxtrot. Não há cinismo nem ironia na voz de Ramesh Srivastava e isso, apoiado nas suas belas melodias, é talvez o que faça o Voxtrot uma das melhores bandas atuais.

35) “Someone great”

LCD Soundsystem
Você olha pro vazio. Vai buscar água e a geladeira parece ser a única coisa que fazer sentido. A melhor música possível é a da água fria do chuveiro caindo sobre sua cabeça. Aquele velho seriado idiota na TV serve para te fazer esquecer daquelas frase de climáx de comédia romântica que você gostaria ter soltado na noite passada. Seu mundo não acabou, mas, por hoje, qualquer sentido que ela podia ter, se foi. Juntando as pontas soltas entre o synth pop oitentista e a eletrônica minimalista, James Murphy encapsulou toda a desolação da fossa num única música. E ainda tem gente que diz que não há alma na música eletrônica.

34) “Our life is not a movie or maybe” MP3

Okkervil River
Esse single arrebatador que antecedeu o quarto disco dos americanos do Okkervil River é um grande paradoxo. Num efeito brilhante, a letra diz que nossas vidas são filmes ruins, sem climáx e beijo romântico no final, enquanto o instrumental ecoa Bruce Springsteen e a voz emocionada de Will Sheff aparece épica como num grande clássico hollywoodiano. Simples e catártica.

33) “Us placers” MP3

CRS
Essa é daquelas “não tinha como dar errado”. O CRS – Child Rebellion Soldiers ou Chicago Runs Sheet – é na verdade a junção dos três melhores rappers desses tempos, Kanye west + Lupe Fiasco + Pharell. A mania de colaboração é coisa velha no pop americano, mas ás vezes produz maravilhas como essa. Não bastasse o flow perfeito dos três, “Us placers” é basicamente uma reconstrução de “The eraser”, faixa-título e obra-prima do álbum solo de Thom Yorke.

32) “The past is a grotesque animal” MP3
Of Montreal
O Bowie paranóico e invetivo de Berlin tendo como banda de apoio os Flaming Lips se os Flaming Lips tocassem synth pop oitentista fuleiro. Essa base repetitiva e maravilhosa fazendo cama para uma letra que parece de um Morrissey com problemas hiper-grafia ou um Pete Wentz, se esse tivesse lido algum livro além de Harry Potter. O Of Montreal é freak desse jeito, mas como nenhuma outra banda atual, eles conseguem transformar toda essa estranheza em algo brilhante e emocionalmente devastador.

31) “Umbrella” MP3
Rihanna feat. Jay-Z

Não se engane, por trás do sorriso maroto (ha!) e das curvas cuidadosamente esculpidas, existe muita esperteza – ou pelo menos um bom assessor. Depois de samplear Soft Cell (óbvio, mas eficiente) e meter medo na Beyoncé com a maravilhosa “S.O.S.” (2006), Rihanna chamou Jay-Z “na chincha” para tomar de assalto as paradas do mundo inteiro. E fez isso da maneira mais estranha possível. “Umbrella” passa longe de uma hit song comum, é fria, dark, e com um batimento seco e lento. No fim das contas, soa como uma canção do Public Enemy produzida pelo Martin Henett, com uma letra de electro paranóico (que a Kylie Minogue daria os dentes para ter gravado) que caí perfeita na cama de sintetisadores ecoando as fases mais ecuras do Depeche Mode. Como eu disse, não se engane: “Umbrella” é pop perfeito, mas não da maneira que estamos acostumados.