Melhores de 2018

Faz alguns anos que eu não fazia uma lista formal de Melhores de Ano, mas 2018 foi tão confuso que foi bom parar para organizar as ideias e se preparar para 2019. Tão aí os meus discos, músicas e shows favoritos desse ano 🙂

Read More
Anúncios

R U Mine?

I go crazy cause here isn’t where I wanna be
And satisfaction feels like a distant memory
And I can’t help myself,
All I wanna hear her say is “Are you mine?”
Well, are you mine?
Are you mine?
Are you mine? Alright

 

Arctic Monkeys – “R U Mine?”

Os 50 Melhores Discos de 2007

01) “Sound Of Silver”, LCD Soundsystem
02) “In Rainbows”, Radiohead
03) “Boxer”, The National
04) “Vanguart”, Vanguart
05) “Person Pitch”, Panda Bear
06) “The Magic Position”, Patrick Wolf
07) “Andorra”, Caribou
08) “A Amarga Sinfonia Do Superstar”, Superguidis
09) “Neon Bible”, The Arcade Fire
10) “Our Earthly Pleasures”, Maxïmo Park
11) “Sky Blue Sky”, Wilco
12) “Ga Ga Ga Ga Ga”, Spoon
13) “Favorite Worst Nightmare”, Arctic Monkeys
14) “The Cool”, Lupe Fiasco
15) “Let’s Stay Friends”, Les Savy Fav
16) “The Stage Names”, Okkervil River
17) “Voxtrot”, Voxtrot
18) “Strawberry Jam”, Animal Collective
19) “The Reminder”, Feist
20) “Night Falls Over Kortedala”, Jens Lekman
21) “Rise Above”, Dirty Projectors
22) “Beyond”, Dinosaur Jr.
23) “Simulacro”, China
24) “Marry Me”, St. Vincent
25) “Carnaval Só Ano Que Vem”, Orquestra Imperial
26) “Magic”, Bruce Springsteen
27) “Hissing Fauna, Are You The Destroyer?”, Of Montreal
28) “From Here We Go Sublime”, The Field
29) “Liars”, Liars
30) “Myth Takes”, !!!
31) “Attack Decay Sustain Release”, Simian Mobile Disco
32) “Myths Of Near Future”, Klaxons
33) “Tones Of Town”, Field Music
34) “A Guide To Love, Loss And Desperation”, The Wombats
35) “Overpowered”, Roísín Murphy
36) “Armchair Apocrypha”, Andrew Bird
37) “Cease To Begin”, Band Of Horses
38) “Challengers”, The New Pornographers
39) “Easy Tiger”, Ryan Adams
40) “Disco Paralelo”, Ludov
41) “Mirroed”, Battles
42) “Era Vulgaris”, Queens Of The Stone Age
43) “Kala”, M.I.A.
44) “Lust Lust Lust”, The Raveonettes
45) “Because Of The Times”, Kings Of Leon
46) “Chega De Falsas Promessas”, Canastra
47) “Untrue”, Burial
48) “Icky Thump”, The White Stripes
49) “23”, Blonde Redhead
50) “Cassadaga”, Bright Eyes

Melhores Músicas de 2007: 30 – 21

30) “Let me know”
Roísín Murphy
Se a nova disco é realmente a nova onda, já podem eleger uma rainha. Mesmo sendo uma britânica branquela, a ex-triphopper Roísín fez melhor que qualquer embuste de ítalo-americano como Glass Candy ou Chromatics. Disco-funk eletrônico e groveeado perfeito para pista.
29) “Keep the car running” MP3
The Arcade Fire
Mesmo sendo um disco aterrorizado pelo tempo que o circunda, “Neon Bible” vence quando aposta da esperança. Como Boss das antigas, o frontman e guia estético do Arcade Fire, Win Butler, canta acreditando em cada letra e nota que sai de sua boca. Enquanto isso, o resto da banda faz uma rock-song inventiva, que remete tanto ao folk acelerado do próprio Boss, quanto ao U2 de “The Joshua Tree”, mas deixando claro seu amor às harmonias dos primeiros trabalhos do New Order. Eles são uma das bandas mais importantes hoje e aqui começam a dar seus passos rumo ao inconsciente coletivo.
28) “Stronger” MP3
Kanye West
Você pode chamá-lo de convencido. Ele é. De oportunista. Também. De hipster do hip hop. Certo. Mas pense em outro artista que possa fazer sucesso tanto na Billboard, quanto na Pitchfork? Kanye West é o perfeito popstar do século 21: esperto, bem conectado e cheio de referências. É um popstar 2.0. E “Stronger” é mais uma prova disso. Eletrônica sintética à francesa, arte multicolorida e tecnológica nipônica, se-achismo americano, tudo isso misturado numa linguagem que é da hood e do rock ao mesmo tempo.
27) “Melodie day” MP3
Caribou
Culpem os Beatles, os Beach Boys, os Zombies. Desde que o pop pôde ser psicodélico, o gênero vem nos dando maravilhas como essa “Melodie day”. A canção começa acelerada e espacial, vocal sussurado, até que uma barulheira caótica e suave de sopros, percussão e barulhos eletrônicos toma conta da faixa, explodindo num refrão de várias cores. Soa como se o Mercury Rev, o Animal Collective e o Zero 7 fossem uma única grande banda.
26) “Crumble” MP3
Dinosaur Jr.
“Crumble” conquista já nos primeiros segundos. O riff inicial aparece enchardo de emoção, a distorção e a mesma de todos os outros clássicos feitos com a guitarra de J Mascis, a letra é sentimental de quando o “sentimental” não era “emo”. Tudo que uma pessoa pode gostar no Dinousaur Jr. está aqui concetrados em 3 minutos de frescor noise-pop, como se 87 fosse 2007 e vice-versa.
25) “Heart of hearts” MP3
!!!
“Heart of hearts” é basicamente um resumo do ótimo “Myth Takes”, primeiro grande disco do !!! (ou Chk Chk Chk). O baixo roubado do Gang Of Four, a salada rítmica da eletrônica, uma certa barulheira urbana à la Sonic Youth e vocais soul obscuros e sexys no novo soul se encontram numa das melhores faixas de pista de 2007. É um salve-se-quem-puder delirante e delicioso que soa como o Maroon 5 dopado de ecstasy e ácido tocando Prince no meio de uma rave comunista. !!! é um nome bem apropriado, não acham?
24) “Get lucky (The Twelves remix)” MP3
New Young Pony Club
Como vocês verão em algum post à frente, “Fantastic Playroom” do New Young Pony Club foi um dos piores discos do ano. Todas as faixas são extremamente fracas e as que ficam um pouco acima do medíocre, imploram por um remix decente. É o caso de “Get lucky”, que encontra nessa versão da dupla de produtores brasileiros The Twelves sua redenção. É o melhor remix dos caras e de tão boa (ainda mais comparada à original) acaba virando uma música “deles”. E não é que Niterói não tem só uma bela vista para o Rio?
23) “Plasticities” MP3
Andrew Bird
Taí outra música que entrou pelo quesito “escolhas pessoais”, mas não da mesma forma que “Antes que eu me esqueça”. Por um motivo ou sentimento que eu ainda desconheço, “Plasticities” me pegou de jeito como poucas ano passo. A melodia é linda, o arranjo melhor ainda e a letra é cheia de metáforas que eu não “peguei”, mas nada disso serve para explicar o sorriso redentor que ela coloca na minha cara toda vez que ouço.
22) “505” MP3
Arctic Monkeys
Todos nós amamos “I bet that you look good on the dancefloor”, “Brianstorm”, “Old yellow bricks” e qualquer outro hino de pista que os Arctic Monkeys tenham feito nesses dois anos. Eles são bons nisso, não dá para negar. Mas são ainda melhores quando diminuem as batidas para despejar emoção movida à guitarras nas composições mais lentas – só lembrar de “A certain romance”, a melhor música de 2006 e fácil umas das melhores da década. “505” começa quase espacial, com Alex Turner cantando macio como numa banda de dream pop. A letra é bem simples, sem aquela verve verborrágica de Turner, só empilhando um monte declarações tão piegas que, não fosse a bela melodia, deixariam seus níveis de sacarina acima do permitido (“stop and wait a sec / when you look at me like that / my darling, what did you expect? I’d probably still adore you with you hands around my neck” é minha favorita). Quando a canção explode num solo de guitarras, – que seria o melhor do ano se o Wilco não tivesse lançado disco em 2007 – você já está entregue e de coração mole.
21) “Sleeping lessons” MP3
The Shins
O clima hipnótico dos teclados e da voz sutil de James Mercer que pontuam o início de “Sleeping lessons”, faixa de abertura do terceiro disco do The Shins, pouco revela sobre o que está prestes a acontecer. É quando as guitarras surgem e a voz de Mercer reaparece mais segura e emocionada que o milagre se processa. Milagre, sim. Um daqueles momentos irracionais em você se pergunta que poder é esse que a música pop tem de nos engasgar com nossos próprios corações, sem conseguir soltar o mínimo grunido. Acontece.

Melhores Músicas de 2007: 70 – 61

70) “Now, now”
St. Vincent
Quando a Feist foi para o primeiro time do pop, os indies-recalcados chiaram. Aí acabaram preferindo Annie Clark, codinome St. Vincent, outra cantora bem-conectada (já tocou com Sufjam Stevens, Polyphonic Spree e outros) e bem-intencionada, cuja música é tão arrebatadora quanto a da canadense. A faixa de abertura de seu primeiro disco, “Marry Me”, é pedia certa pra os que já se cansaram de “1 2 3 4”.
69) “Ayo technology (she wants it)”
50 Cent feat. Justin Timberlake e Timbaland

Ok ok. Por mais que a dupla dinâmica do pop americano esteja ali no background, continua sendo 50 Cent e sexista para caralho, mas vai me dizer que não funciona? Como uma versão porn de “Cry me a river”, a música traz os synths do Timbaland como a única base, sem batidas, quase atmosféricos, até que chega o refrão com Justin soltando aquele falsete-Prince característico das suas últimas produções. E você acaba se esquecendo que aquilo é 50 Cent e o quão ele é idiota.

68) “Rise above”
Dirty Projectors
“Rise Above”, o disco, foi uma das idéias mais arriscadas de 2007 – retrabalhar um álbum clássico inteiro, no caso “Damaged” do Black Flag. Tinha tudo para dar errado (o hardcore do original transformado em freak-folk dos anos 2000), mas a faixa-título e gran finale do disco dissipa qualquer dúvida ou má impressão. Diametralmente diferente e, talvez por isso, igualmente devastadora.

67) “Fluorescent adolescent”
Arctic Monkeys
Quem diria que “Fluorescent adolescent” faria os macacos ‘estourarem’ (em termos) aqui no Brasil. Das duas uma: ou o meu porteiro é indie, ou essa é a primeira música a tocar tanto na Last FM quanto na Nativa FM. De qualquer forma, palma para eles.

66) “Elephant gun”
Beirut

Mesmo sendo bem menos do que falam dele (gênio? daqui uns 10 anos talvez…), Zach Condon tem lá seus méritos. “Elephant gun”, ponto alto do EP “Long Gisland”, concentra todos eles. Estão ali os arranjos inusitados e belos, a voz expressiva, as pinceladas de música dos balcanica e a melodia emocionada. Está no caminho certo, agora basta sobreviver ao hype.

65) “The dull flame of desire”
Björk feat. Anthony Hegarty

“Volta” foi mais interessante não pelo o que foi vendido, – um álbum pop da Björk – mas por pequenas surpresas como essa. “The dull flame of desire” é épica e emocionalmente gigantesca, mas ao mesmo tempo guarda uma fragilidade sutil, humana. A impressionante simbiose dois vocais e da orquestração parecem envolver o ouvinte, inundá-lo. Desvastadora.

64) “Suportar”
Lasciva Lula
Justo quando a banda começa a aparecer no radar, – depois de quase 10 anos de existência – o Lasciva Lula decidiu que continuar batendo cabeça contra o mercado fonográfico brasileiro não valia a pena. Mais uma triste história dos que ainda teimam ir contra os padrões estabelecidos (há uns 10 anos atrás) nessa coisa nefasta que é o pop brasileiro. “Suportar” é a faixa mais calma de “Sublime Mundo Crânio” e a essa altura soa com um belo e doloroso adeus.

63) “My moon my man”
Feist
É um clichê velho de cantora-madura querer flertar com o jazz, ou se diser influenciada por ele. Só que há mares de distância entre uma Nina Simone e, sei lá, uma Luíza Possi. Geralmente falta elegância ou criatividade. Para desespero das outras, Leslie Feist tem as duas características, de sobra. “My moon, my man” é charmosa, elegante e sexy – um jazz-pop competente por quem entende do riscado.

62) “My favorite book”
Stars

Depois dessa, a nossa amada senhora Nina Persson pode se aposentar. Nessa coisa-fofa de música, Amy Millan chega querendo tudo, sutil como se não quisesse nada, e arrabata os corações dos marmanjos, igual a sueca fazia lá nos idos de “Lovefool”. Casa, comida e roupa lavada. Topa, Amy?

61) “Atalho clichê” MP3
Terminal Guadalupe

Ainda na busca por um disco 100% (“A Marcha Dos Invisíveis” quase chegou lá), os curitibanos do Terminal Guadalupe já podem ser orgulhar de ter composto uma das melhores canções de amor-partido de 2007. Pop rock com inteligência e cantado em português, por quem ainda acredita nisso.

Melhores de 2007: 15 Shows

15) Móveis Coloniais de Acaju @ Festival Indie Rock – Circo Voador (26/07)

Faço um mea culpa aqui sobre o Móveis: ignorei a banda por dois anos (até esse show), fui burro e preconceituoso (feijoada búlgara? oi?). Mas esse show me pegou de jeito e fez o segundo disco da banda (que, dizem, sai pela Som Livre) ser ansiosamente aguardado aqui em casa. A apresentação foi uma loucura como, dizem, ser todas as da banda. Gente corendo, se esbarrando, pulando e fazendo roda no final. E a música? Divertida, original e – acreditem – emocionalmente poderosa.

14) The Rakes @ Festival Indie Rock – Circo Voador (26/07)

Com o “Ten New Messages” já lançado e com a maioria das expectativas desfeitas, o Rakes não parecia ter muito para oferecer além daquelas velhas lições pós-Is This It. Mas, lembre-se, eram boas lições. Roquinhos de 3 minutos encharcados de um novo-velho niilismo metropolitano, se bem executados, ainda garantem um ótimo show. Se rola um clichê, tipo invasão de palco então… Work work work pub club sleep é, digamos, o novo it’s only rock n’ roll but I like it.

13) Tokyo Police Club @ Planeta Terra (10/11)

Ok, o Tokyo Police Club ainda só tem, vejamos, 25 minutos de músicas gravadas. 25 minutos dos mais promissores. Imagine os Strokes (ou o próprio Rakes) dando um encontrão musical no Ride. Cada músico da banda parece tocar numa vibe diferente. Por exemplo, o tecladista maluco parecia dopado de ácido num show do Chemical Brothers, já o guitarra solo devia estar se imaginando um novo Kevin Shield, enquanto o vocalista era todo desconcerto contente de ver todo mundo com as letras (pelo memos dos semi-hits “Nature of experiment” e “Cheer it on”) na ponta da língua. Isso tudo, por enquanto, funcionou tão bem nos nossos MP3s como ao vivo. Nos resta aguardar os próximos capítulos.

12) Cansei De Ser Sexy @ Planeta Terra (10/11)

Tinha tudo para dar muito errado. A primeira apresentação do CSS 18 meses depois do estouro tinha como pano de fundo a troca de farpas entre a banda, a imprensa brasileira e público em si. O show começou com um som horrível e a banda num quase pé-de-guerra com os técnicos. Era como se tudo que tinha dado certo no resto do Planeta Terra, tivesse falhado justo no show do CSS. Parecia que a qualquer momento o bateirista-guitarrista-mentor-e-porta-voz da banda, Adriano Cintra, fosse levantar e pagar o esporro para produção, para o público, para imprensa e para o Brasil. Quase. Daí que as coisas se acertaram e o público foi ao delírio com tudo que só ouvia falar que o CSS era capaz. E a banda parecia feliz no país em que ela não estourou. No mais, aquele argumento que o CSS é só uma piada armada pelos modernetes de SP parece não colar tão bem como quando tudo isso começou.

11) Arctic Monkeys @ TIM Festival – Marina da Glória

Foi um trabalho difícil esperar e assistir os Arctic Monkeys. O calor era absurdo o cheiro de suor pior ainda. Todo mundo se espremia para ver “primeira grande banda da geração myspace”, incluindo os fãs histéricos que formam a “geração myspace”. Era o primeiro grande show de grande parte dos presentes, a quantidade de pais na fila não nega (a censura era 16 anos). Era o dia da vida daquelas pessoas pelo tanto que todos pulavam, gritavam e se entregavam àquelas canções. E o show? Foi rápido, certeiro e se muitas firulas. O repertório juntando as melhores dos dois discos já forma um bom conjuto e a banda parece disposta a executar cada uma das músicas da forma mais precisa possível. A bela ” A certain romance” fechou brilhante a noite suada. Sem bis. Sem “tchau! obrrigadou brrrahsil!”. Pelos sorrisos, ninguém se importou. Nem eu.

10) Hot Chip @ TIM Festival – Marina da Glória

Das várias mancadas (e não foram poucas) que a produção do TIMFest cometeu na edição 2007, a maior (para mim) com certeza foi ter escalado o Hot Chip para tocar antes do Arctic Monkeys. A maior tenda da Marina da Glória abarrotada de gente não foi o lugar perfeito para eletrônica pesada, psicodélica e extremamente dançande do Hot Chip. As fãs dos macacos faziam cara de “oi?” com as longas jams de teclado, sinterizadores, baixo e uma eventual guitarra, provavelmente se perguntando quem era o nerd enrolado num saco plástico que comandava aquilo tudo. Eu até tentei dançar. Não deu. Mas pelo que se ouviu, os ingleses estão perto de cometer uma obra-prima em seu terceiro disco, “Made In The Dark” (já vazado, mas com uma voz irritante por cima).

09) Vanguart @ Cinematéqué Jam Club

Não vou negar que meu primeiro show do Vanguart foi bem decepcionante. Atraso de quase 2 horas, o som nefasto do Teatro Odisséia (e o chopp quente e caro do local) e a banda parecendo não estar nos seus melhores dias fizeram que eu quase mudasse minha opinião sobre a banda. Por sorte, uma nova chance apareceu, na charmosa e aconchegante Cinematéqué, com um som bem mais audível e ainda com abertura luxuosa do duo de folk-rock chileno Perrosky. E o Vanguart não decepcionou, mesmo com um Hélio Flanders com voz arranhada. O show foi longo e intimista, com banda e público batendo papo. O set resgatou algumas canções dos primeiros EPs, além de belas versões para minhas favortitas (“Para abrir os olhos” e “Antes que eu me esqueça”) e final com duas covers de Beatles. Classe.

08) The Killers @ TIM Festival – Marina da Glória

Algumas pessoas devem se lembrar da seguinte citação que descreve bem a função de um frontman: “I connect. I get people off. I look for the guy who isn’t getting off, and I make him get off.” A frase pertence a Jeff Bebe, vocalista da banda fictícia Stillwater (de “Quase Famosos”), mas não soaria estranha na boca de Brandon Flowers. Não importava o quão cafona pudesse estar o palco, não importava o quanto o resto da banda se esforçasse para aparecer, era Brandon que comandava a platéia. Flowers ia até a tal pessoa que não estava ‘geting off’ e fazia ela estourar os pulmões e os tornozelos de tanto cantar e pular. Metade Morrissey, metade Mercury, Brandon se encaminha para ser o cantor das multidões dessa década. Só tem que tomar cuidado para música não ficar pelo meio do caminho.

07) The Magic Numbers @ Festival Indie Rock – Circo Voador (25/07)

“Tudo fica bem quando acaba bem” é o clichê perfeito para o primeiro dia do Festival Indie Rock. Nem Lucas Santta, nem Hurtmold conseguiram animar o pequeno público, disperso no Circo Voador. A noite parecia perdida e os a atração principal não gerava uma expectativa tão promissora. Vindos de um disco bastante inferior a sua estréia (“Those The Brokes”, 2006), o Magic Numbers chegava ao Brasil como um hype da outra estação. Só que aí – trocadilhemos – fez-se a mágica. E todo mundo ali lembrou porque tinha vindo e porque gostava de Magic Numbers. Para os queriam sucessos, “Take a chance” e “Love me like you”. Para os corações ternos “I see you, you see me” e “Undecided”. Para os confusos, “The mule” e a nova “Fear of sleep”. Para todos, “Forever lost”. “Fofo”, saca?

06) Björk @ TIM Festival – Marina da Glória

“Volta” pode não ter sido tudo aquilo que prometia ser, mas ao vivo, seu mundo multicolorido e conectado funcionou como poucos. Indo das “paisagens emocionais” de “Jóga” ao batidão revolucionário de “Declare independence”, Björk brindou o público brasileiro com um show à altura de suas prentensões. Não bastassse o vestido de pós-bufão-de-carnaval, a islandesa trouxe consigo toda a maravilhosa parafernália pirotécnica, fazendo do show uma experiência audiovisual única, que justifica todo blábláblá de “artista total” que vem preso à Björk.
[resenha completa]

05) The Rapture @ Planeta Terra (10/11)
Impossível ficar parado é o mínimo que pode ser dito sobre seu corpo no show do Rapture. Fechando a noite do palco ‘indie’ do Planeta Terra, os novaiorquinos tocaram com os graves no limite, jogando a platéia num transe contínuo ao som do melhor punk-funk-disco. É o tipo de banda que faz muito mais sentido no palco, onde mesmo canções supostamente mais discretas como “First gear” se tornam petardos irresistível.

04) LCD Soundsystem @ Via Funchal (13/11)

“Get innocuous”, essa aí no vídeo abaixo, nem foi uma das melhores do show. Tem noção?

3) Girl Talk @ TIM Festival – Marina da Glória

Quando os pés já doiam e a vontade de sair da Marina da Glória parecia forte demais para ser ignorada, subiu no palco um americano quase-baixinho, nerd-descolê e disse que tinha vindo de Pittsburg para fazer a festa aqui no Brasil. Daí tudo correu rápido demais e de uma maneira intensa demais para ser descrita. Imagine comprimir os 50 e tantos anos de música pop no pequeno lapso de meia hora e dançar loucamente isso tudo. Foi um pouco mais que isso.

2) Mombojó @ Circo Voador (02/06)

Alguns shows são mais do que puras e simples apresentações musicais. Eles podem não mudar o mundo, mas podem mudar alguma coisa na sua vida. No caso, esse show do Mombojó fez resgatar muita da minha esperança que as coisas podem se acertar, mais especificamente no rock brasileiro. Os pernambucanos estão no topo do seu jogo. A melhor banda do Brasil.

1) LCD Soundsystem @ Circo Voador (16/11)

A excelência de James Murphy já tinha sido comprovado no show de São Paulo (nº 4 dessa lista), mas ver o LCD Soundsystem no Circo Voador garantiu uma das melhores noites ever. Não bastasse a banda estar mais animada do que em SP e ter espaço de sobra para dançar (ingressos a 100 reais fizeram muita gente desistir), o Circo é o Circo. Eu poderia perder meu tempo falando tentado descrever o quão insano foram os 20 minutos da “Yeah!”, ou que o empurra-empurra em “Movement” deixaria qualquer outro empurra-empurra envergonhado. Ou poderia dizer que “All my friends” é definitivamente uma das música da década. Resumo: o show do ano.